terça-feira, 12 de julho de 2011





"Sentir não é brega. Ao contrário: não existe nada mais chique. Emocione-se e seja o rei de sua insensatez. Seja nobre, seja divino no desconcerto das emoções. Maria Bethânia é muito chique, e quase ninguém está vendo isso. Em Dezembros, sem querer fazer nenhuma revolução, ela chega e diz: 'Dá licença, rock and roll, que a titia vai cantar o amor'. E eu peço: Crianças, cessem as guitarras, os teclados, os sintetizadores – um minuto só – e prestem atenção na voz quente dessa mulher linda do jeito inverso da beleza, cantando (que ousadia!) o amor.



Sei: a Aids está solta, e o que era possibilidade de amor agora é possibilidade de morte. Nem por isso é possível parar de amar. Você consegue? Eu, não. E não tenho medo. Sem platonismos, nem zen-budismos: quero que pinte o amor-Bethânia, dançar de rosto colado, pegar na mão à meia-luz, desenhar com a ponta dos dedos cada um dos teus traços, ficar de olho molhado só de te ver, de repente e, se for preciso, também virar a mesa, dar tapa na cara, escândalo na esquina, encher a cara de gim, te expulsar de casa e te pedir pra voltar."


"Beta, Beta, Bethânia" (trecho), por Caio Fernando Abreu.

4 comentários:

  1. Essa mulher tem uma energia que é só dela!

    ResponderExcluir
  2. O bom da vida é sentir "borboletas no estomago"..rsrsrsrs .... bjo,

    ResponderExcluir
  3. O caio me inspira ! Que texto ..
    É muita vida, força de vontade, inspiração, bom de ver.

    ResponderExcluir