quinta-feira, 3 de fevereiro de 2011






"(...) Uma esquizofrenia teológica, eu sei, quando fica tudo confuso assim, meu descanso é recolher-me como um tatu-bola e repetir até passar a crise, Senhor, tem piedade de mim. Até em sonhos repito, Senhor, tem piedade de mim, é perfeito. Sensação de confinamento outra vez, minha pele, minha casa, paredes, muro, tudo me poda, me cerca de arame farpado."


[Adélia Prado]

4 comentários:

  1. Adélia tão maravilhosa sua poesia.
    boa escolha.

    ResponderExcluir
  2. Tenho uns amigos e parceiros de blog que dizem que quando era mais nova escrevia parecida com a Adélia. Vejo que é verdade, aqui fica o link de um texto que disseram que parece muito: http://identidadepeculiar.blogspot.com/2009/03/casa-sem-mulheres.html
    Beijos.

    ResponderExcluir
  3. Queria escrever com esta arte! Nossa, que perfeito!!!

    ResponderExcluir