segunda-feira, 12 de abril de 2010






'acendi um cigarro e olhei para a casa em frente, no outro lado da rua. Na fachada estragada pelo tempo lia-se numa placa: “II y a toujours quelque choe d’abient qui me tourmente” (Existe sempre alguma coisa ausente que me atormenta).
(...)para seu próprio bem guarde este recado: alguma coisa sempre faz falta. Guarde sem dor, embora doa, e em segredo.'

4 comentários:

  1. O invisível nos persegue pelas costas....

    um beijo flor, boa semana

    ResponderExcluir
  2. Adorei, a ausencia sempre por perto.

    beijos e boa semana pra ti.

    ResponderExcluir
  3. Ou a dor ou o amor,
    mas ficam as palavras.

    bj flor!

    ResponderExcluir